Perguntas Frequentes

Primeiro contato é com os pais, depois são realizados alguns encontros com a criança para aplicação dos testes e tarefas neuropsicológicas. No final, os pais voltam para a devolutiva, quando todos os resultados são apresentados e um laudo é entregue. Se você quiser mais informações, entre em contato

A terapia tem como objetivo ajudar os clientes (sejam crianças ou adolescentes) e suas famílias a lidarem com questões que que podem estar gerando sofrimento. Os benefícios são inúmeros, porém, podemos ressaltar que algumas das vantagens seriam: desenvolver os poderes sociais e criativos da criança, aumentar sua concentração, desenvolver habilidades emocionais, ajudar a criança a compreender que certas coisas não estão sob nosso controle.
De maneira geral, quanto mais nova a criança, maior será a participação dos pais no processo terapêutico. Caso você esteja com dificuldades em lidar com os comportamentos do seu filho, procure o psicólogo para uma avaliação, e caso a criança não seja o alvo do processo terapêutico, a família será encaminhada para um processo de orientação parental.
A parceria com a família é essencial para um desenvolvimento do processo terapêutico. A orientação parental faz parte do trabalho com crianças e adolescentes, e a frequência de contato entre profissional e os pais varia de caso a caso.

O pagamento poderá ser parcelado em até 5x no cheque, ou, à vista com 5% de desconto. Para mais informações, entre em contato

A avaliação fonoaudiológica tem como principal objetivo investigar as habilidades comunicativas do paciente no âmbito da fala e da linguagem receptiva ( capacidade de compreender as informações)e expressiva ( capacidade de se expressar de forma verbal ou não- verbal) a fim de verificar se as mesmas estão de acordo com a idade cronológica ou se há necessidade de um acompanhamento de acordo com o diagnóstico fonoaudiólogo após a avaliação. A avaliação fonoaudiológica pode ser realizada em diferentes faixas etárias: desde crianças pré escolares, escolares, adolescentes até adultos. Vale ressaltar a importância da Anamnese fonoaudiológica infantil ou adulta ( entrevista realizada com os pais ou com o próprio paciente se for adulto) antes de iniciar a avaliação para levantamento das queixas em questão.
Depende da queixa apresentada pelos pais ou pelo profissional que encaminhou. Caso seu filho esteja com um atraso de fala ou de linguagem : a partir dos 18 meses é recomendado uma avaliação fonoaudiológica. No entanto, se houver relação com as questões de aprendizagem é necessário uma avaliação fonoaudiólogica específica da leitura e da escrita a partir dos 6 anos de idade.

Sim, sem dúvida. Os transtornos do neurodesenvolvimento (como o TDAH, o autismo e a dislexia) são diagnóstico essencialmente clínicos. Não há nenhum exame de sangue ou imagem capaz de dizer se a criança tem algum desses transtornos ou não, porém existe um perfil em cada um dos transtornos e a avaliação é capaz de traça-lo.

Não, nós atendemos todas as idades, desde que a suspeita seja de um transtorno que se iniciou na infância. Por exemplo, um adulto com suspeita de TDAH pode ser avaliado aqui com a gente, assim como alguém com uma suspeita de déficit intelectual, autismo ou dislexia. Atendemos crianças a partir de 4 anos, adolescentes, adultos e idosos.

Dependendo da necessidade, sim. Temos profissionais que atendem em terapia (comportamental) e treino cognitivo. Quando há indicação para avaliação com outros profissionais, como médicos, fonos, psicopedagogas ou terapeutas ocupacionais, temos excelentes parceiros, pessoas em quem confiamos muito e que podemos indicar de olhos fechados. Acreditamos muito no trabalho em equipe e observamos que os resultados são muito melhores quando funciona dessa maneira.

Dentro da Psicologia temos várias abordagens, dentre elas, a Análise do Comportamento. ABA é então a aplicação dessa ciência, no Inglês, Applied Behavior Analysis (sigla ABA). Essa ciência é a que tem mais estudos científicos que comprovam a eficácia para o tratamento de indivíduos com TEA, por isso é a mais recomendada nestes casos, mas há evidências de eficácia em diversos outros quadros.

A intervenção busca por uma avaliação inicial dos comportamentos do indivíduo, que nos permite identificar os comportamentos que estão em déficit (em geral relacionados a interação social e a linguagem) e em excesso (comportamento estereotipado, interesse exageradamente restrito a certos temas ou objetos, apego excessivo a rotinas, comportamento auto lesivo ou agressivo, variando de indivíduo para indivíduo). É elaborado então um plano de intervenção individual com base nessa avaliação, no qual se tem como objetivo ensinar o que está em déficit e trabalhar para reduzir o que está em excesso. Esse plano é reavaliado periodicamente.

O que as evidências científicas nos mostram é que quanto mais cedo começar, melhor! A flexibilidade do cérebro está no auge nos primeiros anos de vida e por isso a importância de estimular ao máximo as capacidades das crianças de forma mais precoce possível. Chamamos isso de neuroplasticidade

De jeito nenhum. O objetivo é sempre o mesmo, ou seja, traçar o perfil neuropsicológico da pessoa que está sendo avaliada, porém cada profissional usa como instrumentos o que acha que é melhor para cada caso. Aqui no Alia nós normalmente explicamos que não é como comprar uma coca cola, que no supermercado tem um valor e na padaria outro. As avaliações não são sempre iguais. Convém buscar informações sobre a equipe e o profissional que está por trás, principalmente se ele tem formação para fazer esse trabalho e se está atualizado, uma vez que muito se pesquisa sobre o desenvolvimento infantil e é extremamente importante que o neuropsicólogo seja, além de clínico, um estudioso. O conselho de psicologia certifica os psicólogos que tem qualificação (reconhece o título de especialista). Aqui na clínica, a Paula é especialista em neuropsicologia há10 anos com o título reconhecido pelo conselho, é especialista em reabilitação neuropsicológica, mestra e doutoranda em distúrbios do desenvolvimento, pesquisadora do TDAH e das habilidades relacionadas à alfabetização. Se quiser saber mais sobre, acesse aqui.

Com certeza! No início enviamos alguns questionários e, no final, um relatório contendo informações e orientações. Sempre nos colocamos à disposição e, quando a escola nos solicita, marcamos um horário.